Psicologia - FAPSI (Formação Avançada)

PrintPrint

Entrevista Forense de Crianças: o Protocolo de Entrevista do National Institute of Child Health and Human Development (NICHD)

Enquadramento
O testemunho da criança desempenha um papel central na investigação criminal e decisão judicial, visto que, em muitos casos, será a principal fonte de informação. Por esta razão, existe hoje uma vasta investigaçãoo científica sobre as capacidades da criança enquanto testemunha, como também sobre formas mais adequadas para a obtenção do seu relato. Assim, exige-se aos profissionais que entrevistam crianças no contexto forense particulares competências e conhecimentos, de forma a facilitarem a produção de um discurso espontâneo por parte da criança, e a minimizarem o impacto emocional deste procedimento. A utilização de protocolos de entrevista forense adaptados às capacidades desenvolvimentais da criança, como é o caso do protocolo de entrevista forense do NICHD, potencia o seu testemunho, melhorando a quantidade e qualidade de informação, e minimizando possíveis efeitos negativos, por parte do entrevistador, na qualidade do relato e estado emocional da criança.

 

Destinatários
O curso é destinado aos profissionais que contactem com crianças no âmbito da Justiça, nomeadamente, psicólogos, advogados, juízes, procuradores do MP, médicos, assistentes sociais, e outros.

 

Calendarização
O curso realiza-se de 15 a 19 de janeiro de 2018 (30 horas presenciais).

 

Objetivos
O presente curso tem como principais objetivos: apresentar o protocolo de entrevista forense do NICHD; capacitar os formandos na utilização do protocolo; desenvolver competências gerais e específicas no âmbito da entrevista de crianças em contexto forense.

 

Conteúdos

I.Entrevista e Desenvolvimento da Criança:

  • Memória
  • Linguagem
  • Personalidade e Afectividade
  • Sugestionabilidade

II.O Protocolo de Entrevista do National Institute of Child Health and Development (NICHD):

  • Estrutura do Protocolo
  • Tipos de questões
  • Estimulação da memória episódica
  • A importância das questões abertas
  • O estabelecimento da relação com o entrevistado
  • O registo da entrevista

III.Características e dinâmicas do abuso de crianças

IV.Entrevista com crianças não colaborantes, relutantes, com défices cognitivos e quadros psicopatológicos

V.Enquadramento legal e na investigação criminal

VI.Avaliação da qualidade do testemunho da criança

 

Modelo Pedagógico
Método expositivo, juntamente com role-play e análise de casos.

 

Modelo de avaliação, atribuição de ECTS e acreditação pela ordem dos psicólogos portugueses
A avaliação será realizada através de teste, que consistirá na realização de uma entrevista forense.
A presença em 80% das horas de formação e a aprovação no teste realizado conferem a atribuição de 1 ECTS, seguindo o previsto no art.º 5 do DL 42/2005, de 22 de fevereiro, e as regras sobre atribuição de ECTS definidas no Despacho da Reitoria da Universidade Católica Portuguesa com a referência R/0351/2012, de 23 de fevereiro de 2012.
Será solicitada acreditação da formação para os formandos que sejam membros da Ordem dos Psicólogos Portugueses.

 

Coordenação Científica

Doutor Carlos Eduardo Peixoto
Doutor em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto na área da Psicologia Forense. Psicólogo Forense na Delegação Norte do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, IP. Professor Auxiliar convidado do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da Universidade do Porto. Investigador no Centro de Estudos do Desenvolvimento Humano da Universidade Católica Portuguesa. Autor e coautor de diversas publicações científicas (livros, capítulos de livros, artigos em revistas científicas) relacionadas com temáticas no âmbito da Psicologia Forense, nomeadamente, a avaliação psicológica forense, avaliação da credibilidade, entrevista forense de crianças e adultos.

Doutora Catarina Ribeiro
Docente da Faculdade de Educação e Psicologia da Católica Porto desde 2007. É doutorada em Psicologia, pela Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade do Porto com a Tese: Decisão Judicial em Casos de Abuso Sexual Intrafamiliar: Perspetivas, Experiências e Processos Psicológicos de Magistrados. É Psicóloga e Perita em Avaliação Psicológica Forense no Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses I.P. É coordenadora da equipa de investigação portuguesa do projeto europeu FACT FORM MINORS. Fostering Alternative Care for Troubled Minors (JUST/2015/RCHI/AG/PROF/9578).

 

Formadores

  • Doutor Carlos Eduardo Peixoto
  • Doutora Catarina Ribeiro

 

Informações e Inscrições

Formulário de inscrição disponivel aqui»»

Para mais informações contactar:
Cristina Crava | 22 619 62 43 | formacao.avancada@porto.ucp.pt.

 

É atribuído um Certificado de Presença (80% de presenças).
Número de vagas limitado.
Condições especiais de inscrição para Alumni.