Arte & Ecologia | Musical Performance · John Rink

21.03.2019 18:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

21.03.2019 18:00 Arte & Ecologia | Musical Performance · John Rink Link: http://www.fep.porto.ucp.pt/pt/node?page=5&msite=9

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto
Arte & Ecologia
Aulas Abertas
Auditório Ilídio Pinho · 18H
 
 
21 MAR | Musical Performance
John Rink (musicólogo)
 
Na performance musical, o gesto artístico é relevante para uma individualidade da expressão e para a música que daí se obtém. Nesta palestra, também integrada na conferência Música Analítica 2019: Porto International Symposium on the Analysis and Theory of Music, o musicólogo e intérprete John Rink irá mostrar como poderá haver uma decisão "ecológica" dos artistas, e também no que diz respeito a uma abordagem "ecológica" para a análise de performances musicais em particular e música em geral.
 
John Rink é Professor de Estudos de Performance Musical na Universidade de Cambridge, diretor de Estudos em Música no St John's College, e diretor do Cambridge Centre for Musical Performance Studies and Cambridge Digital Humanities. Rink trabalha nos campos de estudos de Chopin, estudos de performance, análise musical e musicologia digital.
 
_ _ _ 
 
Todo o programa "Arte & Ecologia" > AQUI
 

Arte & Ecologia | Sobrevivência Echológica · Nuno da Luz | Convidado: Comandante Pires Barroqueiro (I.H.)

07.03.2019 18:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

07.03.2019 18:00 Arte & Ecologia | Sobrevivência Echológica · Nuno da Luz | Convidado: Comandante Pires Barroqueiro (I.H.) Link: http://www.fep.porto.ucp.pt/pt/node?page=5&msite=9

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto
Arte & Ecologia
Aulas Abertas
Auditório Ilídio Pinho · 18H
 

Recife de Barroeira durante a maré baixa, Praia do Ourigo, Porto 2019
 
 
07 MAR | Sobrevivência Echológica
Nuno da Luz (artista)
+
Convidado: Comandante Pires Barroqueiro
(Instituto Hidrográfico da Marinha Portuguesa)
 
Durante a sua residência no âmbito do programa InResidence, promovido pela Câmara Municipal do Porto, Nuno da Luz captou e documentou o ambiente da Foz do Douro, numa leitura crítica e atenta às dimensões múltiplas do espaço público. A estes materiais, juntou dados fornecidos pelo Instituto Hidrográfico da Marinha Portuguesa, relativos às medições das marés na Barra do Douro e Porto de Leixões, registadas pela bóia costeira e oceânica de Leixões. Estes factos – científicos e objetivos – são traduzidos pelo artista numa forma sensível, acústica e audiovisual, abrindo espaço a uma nova temporalidade que assenta em fenómenos astronómicos e na sua reverberação na Terra.
 
Nesta Aula Aberta, Nuno da Luz apresentará este processo de trabalho que decorreu deste Outubro de 2018, e estará igualmente à conversa com o Comandante Teotónio Pires Barroqueiro, que representará o Instituto Hidrográfico, entidade que forneceu os dados de medições que o artista transformou para compor o som da exposição. A partir deste contexto, Teotónio Pires Barroqueiro irá falar-nos igualmente do trabalho desenvolvido pelo IH sobretudo nas àreas da monitorização ambiental da costa e da sustentabilidade dos mares e oceanos.
 
 
Após esta Aula Aberta, será inaugurada às 19:30 a exposição Poetry as an echological survival, de Nuno da Luz > + INFO
 
_ _ _ 
 
 
NUNO DA LUZ
(Lisboa, 1984)
Nuno da Luz vive e trabalha em Lisboa. Artista e publicador, o seu trabalho circunscreve tanto o auditivo como o visual na forma de eventos sonoros, instalações e material impresso; estes últimos na sua maioria distribuídos pela publicadora atlas Projectos (em conjunto com André Romão e Gonçalo Sena) e pela editora discográfica Palmario Recordings (em conjunto com Joana Escoval). Recentemente terminou o programa de mestrado Experimentação em Arte e Política speap em Sciences Po, Paris e fundou o coletivo pluridisciplinar Coyote, que investiga novas formas de comum-ificação (criar comunidade) via publicações, filmes, conferências e outros formatos experimentais (em conjunto com os artistas Tristan Bera e Ana Vaz, a jornalista Elida Høeg e a editora Clémence Seurat). 
 
 
TEOTÓNIO JOSÉ PIRES BARROQUEIRO
(Lisboa, 1980)
Ingressa em 1998 na Escola Naval, e concluiu em 2003 a licenciatura em Ciências Militares-Navais – ramo de Marinha. Assumiu o cargo de Imediato no navio hidrográfico D. Carlos I, de setembro de 2006 a setembro de 2007, onde cumpriu, entre outras, missões no âmbito do  Projeto de Extensão da Plataforma Continental de Portugal, entre outras. De setembro de 2011 a setembro de 2014 comandou a lancha hidrográfica Auriga, participando em diversas missões de apoio ambiental às operações navais. Em julho de 2015 regressou à Engenharia Oceanográfica da divisão de Oceanografia do Instituto Hidrográfico. Desde então, leciona os módulos de Programação (MATLAB) e Marés.
 
Representa o Instituto Hidrográfico em várias ações e grupos de trabalho, nomeadamente para avaliação das áreas marinhas protegidas.
 
 
INSTITUTO HIDROGRÁFICO DA MARINHA PORTUGUESA
O Instituto Hidrográfico (IH), órgão da Marinha Portuguesa, foi criado pelo Decreto-Lei n.º 43177, de 22 de Setembro de 1960. O IH funciona na direta dependência do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, sendo a competência relativa à definição das orientações estratégicas, bem como ao acompanhamento da sua execução, exercida pelo Ministro da Defesa Nacional em articulação com o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e com a Ministra do Mar. O IH é reconhecido como Laboratório do Estado, gozando de autonomia administrativa e financeira. O IH tem por missão fundamental assegurar atividades relacionadas com as ciências e técnicas do mar, tendo em vista a sua aplicação na área militar, e contribuir para o desenvolvimento do País nas áreas científica e de defesa do ambiente marinho. 
 
A sua visão estratégica funda-se na premissa de ser um centro de referência no conhecimento e na investigação do mar, nomeadamente através dos seguintes elementos:
 
-Segurança da navegação;
-Aplicação militar;
-Investigação aplicada;
-Multidisciplinaridade;
-Projeção nacional e internacional;
-Proteção do meio marinho;
-Desenvolvimento sustentável de Portugal;
-Centro agregador de informação e conhecimento.
 
_ _ _ 
 
Todo o programa "Arte & Ecologia" > AQUI
 
 
 
 

Exposição | Poetry as an echological survival · Nuno da Luz

07.03.2019 19:30 — 05.04.2019 18:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

07.03.2019 19:30 05.04.2019 18:00 Exposição | Poetry as an echological survival · Nuno da Luz Link: http://www.fep.porto.ucp.pt/pt/node?page=5&msite=9

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto

Previsão de todas as alturas de maré diárias para a Barra do Douro, durante o período da exposição /
Forecast of all daily tidal ranges for the Barra do Douro, during the exhibition's run
(Dados cedidos pelo Instituto Hidrográfico) 

 

Inauguração: 7 Mar · 19h30 | Sala de Exposições EA

Poetry as an echological survival
Uma exposição de Nuno da Luz

Curadoria: Nuno Crespo


No seguimento da sua residência na Escola das Artes no âmbito do programa InResidence promovido pela Câmara Municipal do Porto, Nuno da Luz apresenta uma instalação imersiva de som e luz na Sala de Exposições da EA. Trabalhando gravações de campo e medições registadas pelas boias do Instituto Hidrográfico, a exposição traz para o espaço de galeria o ambiente da Foz do Douro.
 
O programa de residência foi desenvolvido sob a égide de uma citação errónea (ou não) de Álvaro Lapa: «poetry as an echological survival» (derivada do ensaio do poeta e ambientalista norte-americano Gary Snyder, «Notes on Poetry as an Ecological Survival Technique»). Lapa retira «technique» e acrescenta um «h» a «ecological», transformando «eco-» (do grego «oikos», casa) em «eco» («ēchos», som). Este desvio (poético) em que ecologia e ecoar se tornam um único movimento dúplice, possibilita-nos repensar certos fenómenos acústicos, como reverberação e ressonância, enquanto processos ambientais e sociais.

A exposição servirá como modo especulativo sobre como este movimento pode ser uma ferramenta operativa para nos situarmos – e à nossa envolvente – em relações de reciprocidade e cooperação mútuas.

 
A inauguração desta exposição é precedida às 18h pela Aula Aberta "Sobrevivência Echológica", no âmbito do programa Arte & Ecologia, e que será apresentada pelo artista Nuno da Luz e o Comandante Pires Barroqueiro, em representação do Instituto Hidrográfico da Marinha Portuguesa. A entrada é livre! > + INFO
 
_ _ _ 
 
 
NUNO DA LUZ
(Lisboa, 1984)
Nuno da Luz vive e trabalha em Lisboa. Artista e publicador, o seu trabalho circunscreve tanto o auditivo como o visual na forma de eventos sonoros, instalações e material impresso; estes últimos na sua maioria distribuídos pela publicadora atlas Projectos (em conjunto com André Romão e Gonçalo Sena) e pela editora discográfica Palmario Recordings (em conjunto com Joana Escoval). Recentemente terminou o programa de mestrado Experimentação em Arte e Política speap em Sciences Po, Paris e fundou o coletivo pluridisciplinar Coyote, que investiga novas formas de comum-ificação (criar comunidade) via publicações, filmes, conferências e outros formatos experimentais (em conjunto com os artistas Tristan Bera e Ana Vaz, a jornalista Elida Høeg e a editora Clémence Seurat). Projetos mais recentes incluem as performances ao vivo “com Ressonância Assistida” em Ficarra (Itália), Paris, Nova Iorque, Porto e Berlim; assim como a sua exposição individual environments na Solar – Galeria de Arte Cinemática, em Vila do Conde. Outras exposições individuais incluem RWSNK ECHOS, Kunstraum Botschaft, (Berlim, 2017), Sud e Magia, Syntax (Lisboa, 2016), Wilderness, Galeria Vera Cortês (Lisboa, 2015), laissez vibrer, enblanco projektraum (Berlim, 2013) e cave/Solar (Vila do Conde, 2013), e “O nosso silêncio é um aviso, o nosso silêncio é sólido”, Vera Cortês Art Agency (Lisboa, 2012). Exposições coletivas mais recentes incluem, entre outras, “cidra da luz escoval manso mendes romão sena”, AR Sólido (Lisboa, 2015), “Ficarra_Contemporary Divan”, Palazzo Milio (Ficarra, 2015), “A polyphonic wave of of concrete materials flowing through the air”, Espaço Artes (Porto, 2014), e “12 Contemporaries: Present States”, Museu de Serralves (Porto, 2014). Tem participado em diversos programas de residência, nomeadamente, Cité internationale des arts (2015), Residency Unlimited (2014), e Sound Art Braunschweig Projects (2013).
 
 
Horários de abertura
8 Mar - 5 Abr
terça a sexta | 14 - 19h
Sala de Exposições da Escola das Artes
_ _ _ 

Cortesia: Galeria Vera Cortês

Apoio à residência: inresidenceporto, promovido pela Câmara Municipal do Porto
 
Agradecimento: Instituto Hidrográfico da Marinha Portuguesa

 

Pages