Exposição | Dismorfia · Jonathan Uliel Saldanha

09.04.2019 20:30 — 07.06.2019 18:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

09.04.2019 20:30 07.06.2019 18:00 Exposição | Dismorfia · Jonathan Uliel Saldanha Link: http://www.fep.porto.ucp.pt/pt/node?page=6&msite=9

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto
 
9 ABR a 7 JUN · Sala de Exposições EA
DISMORFIA
Um projeto de Jonathan Uliel Saldanha
 
Horários de abertura
terça a sexta | 14 - 19h
Sala de Exposições da Escola das Artes
 
No seguimento do concerto-performance SCOTOMA CINTILANTE, Jonathan Saldanha construiu DISMORFIA, um trabalho que traduz os três meses da residência artística na Escola das Artes da Católica no Porto.

SCOTOMA CINTALENTE partia de uma mundivisão onde a relação tátil com a matéria inanimada é a fonte primordial da construção do som. Inscrevendo-se entre matéria e anima, pré-linguagem e superfície, o concerto-performance opera a interceção de quatro eixos distintos: o aparelho vocal humano; a mediação de uma linguagem háptica (relativa ao tacto); a refração como mecanismo tático de mutação e “re-materialização” do tempo; e a camuflagem da palavra pela voz. Entre a dismorfia, a refração vocal e uma Via Sacra.
 
A exposição prolonga a investigação em torno da visualidade do tacto e da compreensão do olho humano enquanto lugar de todas as imagens e de todos os reflexos. Não se trata de uma apologia da visualidade como único lugar de passagem entre o interior e o exterior, mas de uma crítica à sua predominância cultural e orgânica. 

Esta exposição documenta igualmente o trabalho que o artista veio a desenvolver com vários professores da Escola das Artes, nomeadamente Pedro Monteiro (Música),  Ricardo Megre (Animação), Carlos Lobo (Fotografia), André Perrota (Multimédia).


 
 
Vistas da exposição
 
JONATHAN ULIEL SALDANHA
Jonathan Uliel Saldanha é um construtor sónico e cénico que trabalha na intereceção do som, do gesto, do palco e do filme. É fundador do coletivo SOOPA, co-fundador da editora SILORUMOR, uma das partes do duo FUJAKO e diretor dos HHY & The Macumbas. Em novembro estreou a peça SØMA na Culturgest Lisboa, e em 2017 as instalações de vídeo e som AFASIA TÁTICA, na Culturgest Porto, e ANOXIA, na Bienal Ano Zero em Coimbra. Co-criador das peças de palco BOCA MURALHA, SHARK, REI TRILOGY e encenador das peças JUNGLE MACHINE, KHORUS ANIMA, O POÇO e OXIDATION MACHINE apresentadas em espaços como o Museu de Serralves, o Accès(s) Festival, o Teatro Municipal Rivoli e o Palais de Tokyo, Paris.
 
 

Arte & Ecologia · Dismorfia e Opacidade · Jonathan Uliel Saldanha

11.04.2019 18:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

11.04.2019 18:00 Arte & Ecologia · Dismorfia e Opacidade · Jonathan Uliel Saldanha Link: http://www.fep.porto.ucp.pt/pt/node?page=6&msite=9

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto
Arte & Ecologia
Aulas Abertas
Auditório Ilídio Pinho · 18H
 
 
Imagem: Jonathan Uliel Saldanha / Ricardo Megre 
 
11 ABR | Dismorfia e Opacidade
Jonathan Uliel Saldanha (artista) 
Álvaro Balsas (filósofo)
Pedro Monteiro (maestro)
 

No seguimento da performance SCOTOMA CINTILANTE e da exposição DISMORFIA, Jonathan Uliel Saldanha apresenta as diferentes fases do processo criativo com dois dos intervenientes no projeto: o filósofo da Faculdade de Filosofia da Universidade Católica de Braga Álvaro Balsas, que apoiou Jonathan na pesquisa teórica e conceptual que está na base da peça, e o professor da EA Pedro Monteiro, que trabalhou no desenvolvimento do mecanismo de refração coral e orientou o coro Ver Pela Arte na performance-concerto.
 

JONATHAN ULIEL SALDANHA
Jonathan Uliel Saldanha é um construtor sónico e cénico que trabalha na intereceção do som, do gesto, do palco e do filme. É fundador do coletivo SOOPA, co-fundador da editora SILORUMOR, uma das partes do duo FUJAKO e diretor dos HHY & The Macumbas. Em novembro estreou a peça SØMA na Culturgest Lisboa, e em 2017 as instalações de vídeo e som AFASIA TÁTICA, na Culturgest Porto, e ANOXIA, na Bienal Ano Zero em Coimbra. Co-criador das peças de palco BOCA MURALHA, SHARK, REI TRILOGY e encenador das peças JUNGLE MACHINE, KHORUS ANIMA, O POÇO e OXIDATION MACHINE apresentadas em espaços como o Museu de Serralves, o Accès(s) Festival, o Teatro Municipal Rivoli e o Palais de Tokyo, Paris.

ÁLVARO BALSAS
Álvaro Balsas é Professor Auxiliar na Universidade Católica Portuguesa (UCP), onde concluiu o Doutoramento em Filosofia da Ciência (2010). Obteve a Licenciatura e Mestrado em Física, respectivamente, na Universidade de Coimbra (1987) e na Universidade de Aveiro (1991). Publicou 22 artigos em revistas especializadas e 2 trabalhos em actas de eventos, possui 3 livros e 2 capítulos de livros publicados, sendo editor e co-editor de 16 livros. Possui 46 itens de produção técnica. Actua nas áreas de Humanidades, com ênfase em Filosofia, Ética e Religião, e de Ciências Exactas, com ênfase em Física. Nas suas actividades profissionais interagiu com 41 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. É Director Adjunto da Revista Portuguesa de Filosofia e investigador do CEFH da UCP. As suas áreas de investigação são os Fundamentos da Mecânica Quântica (particularmente, interpretação da teoria, EPR, desigualdades CHSH, de Bell e de Tsirelson, realismo local), Física da Matéria Condensada, Filosofia da Natureza (particularmente, processos causais e sistemas complexos), Filosofia da Ciência e Ciência e Religião.

PEDRO MONTEIRO
Concluiu a sua licenciatura em Música Sacra na Escola das Artes da UCP – Porto, com Martin Bernreuther, Giampaolo di Rosa (Órgão), Eugénio Amorim, Jorge Matta e Cesário Costa (Direcção). Doutorou-se, summa cum laude, em Ciência e Tecnologia das Artes pela UCP-Porto. Detém o Diploma de “Suficiência Investigadora” em Musicologia da Universidade de Valladolid (Espanha). Frequentou os estudos em Órgão de concerto – na Escola Superior de Música Sacra de Regensburg (Alemanha). É docente na EA da UCP – Porto e no Departamento de Música da UM, colaborador regular da ESMAE, coordenador do Mestrado em Direção de Coro na USJ (Macau) e da Pós-graduação em Música Sacra da UCP-Porto e ainda investigador no Centro de Investigação em Ciências e Tecnologia das Artes (CITAR). É maestro e diretor artístico do EAnsemble, do Ensemble Moderno do Porto e do Coro da UCP-Porto. Desenvolve atividade concertista regular, nacional e internacional, em Direção e Órgão, com estreias modernas e absolutas, e gravações de obras recentes.
 
_ _ _ 
 
Todo o programa "Arte & Ecologia" > AQUI
 

 

Jornadas de Investigação de Mestrado em Conservação e Restauro de Bens Culturais

11.04.2019 10:00 — 11.04.2019 16:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

11.04.2019 10:00 11.04.2019 16:00 Jornadas de Investigação de Mestrado em Conservação e Restauro de Bens Culturais Link: http://www.fep.porto.ucp.pt/pt/node?page=6&msite=9

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto

Escola das Artes – UCP/CITAR – Porto


APRESENTAÇÕES: 11 de Abril (quinta-feira)
 
Sala EA-118
10:00 - Diana Costa Tavares – Concepção do Plano de Conservação Preventiva aplicado a uma coleção etnográfica do Museu de Berlim
10:20 – Cláudio José Gomes Azevedo – Estudo, conservação e restauro de nicho em talha da Santa Casa da Misericórdia do Porto
10:40 - Miguel Ângelo Machado Miranda - Metodologia de intervenção em vitrais. A praxis da empresa Vetrari Muñoz de Pablos
11:10 - Miguel Parreira - Estudo e Tratamento de uma pintura a óleo sobre madeira “Jesus carregando a Cruz”, do séc. XVI

11:30 – Intervalo para café

11:50 – Ana Catarina dos Santos Neto – Estudo, conservação e restauro de escultura sobre madeira da Santa Casa da Misericórdia do Porto
12:10 - Joana Lencastre – Santa Teresa de Jesus – Estudo e intervenção de uma pintura a óleo sobre tela
12:30 - Inês Rafaela Maciel Magalhães - Intervenção de conservação e restauro dos revestimentos interiores em técnica de stucco-lustro do 2º piso da Casa do Vinho Verde (palacete Silva Monteiro).

13:00 - Intervalo para almoço
 
Auditório EA 230
14:30 - Joana Ferreira Pina - A arte do estuque em Portugal. Historiografia, Materiais, Técnicas. Contributos para um glossário.
14:50 - Mariana Joana Carvalho Lopes - Contributos para o levantamento do estado de conservação de pinturas murais dos sécs. XV e XVI em espaços religiosos da diocese de Bragança-Miranda: concelhos de Mirada do Douro, Mogadouro e Torre de Moncorvo
15:20 - Sofia Isabel dos Santos Oliveira - “Conservação de quatro bustosrelicários da Igreja Madre Deus e Estudo dos seus Padrões Decorativos”.
15:40 - Diana Teixeira Vasconcelos – Estudo e Intervenção da pintura a óleo sobre madeira “Descida da Cruz”, do séc. XVI
16:00 – Sara Maria Guedes Rebelo – Colecção de Paramentaria da Venerável Ordem de São Francisco do Porto
 
16:20 – Debate/Encerramento 
Coordenação:
Nuno Camarneiro

 

Arte & Ecologia · Coisa Sónica, Causa Visual · Pedro Tudela + Miguel von Hafe Pérez

04.04.2019 18:00

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

04.04.2019 18:00 Arte & Ecologia · Coisa Sónica, Causa Visual · Pedro Tudela + Miguel von Hafe Pérez Link: http://www.fep.porto.ucp.pt/pt/node?page=6&msite=9

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto
Arte & Ecologia
Aulas Abertas

Auditório Ilídio Pinho · 18H

Pedro Tudela: Recolha sonora na Fundição de Sinos de Braga - Serafim da Silva Jerónimo & Filhos.
 
 
4 ABR | Coisa Sónica, Causa Visual
Pedro Tudela (artista) + Miguel von Hafe Pérez (curador)
 
Com um percurso consolidado de mais de três décadas de trabalho, Pedro Tudela (Viseu, 1962) é um artista que mantém uma atividade que cruza disciplinas como a pintura, o desenho, a escultura, a instalação e a fotografia.
 
A sua intervenção na esfera sonora não só o sinaliza como um pioneiro no modo como a trata como elemento não exclusivamente ilustrativo ou adjacente à sua prática escultórica ou de instalação, mas como uma entidade que pode ganhar espessura própria e determinar condições de materialização site-specific.
 
Na conversa que agora se propõe o artista e o curador irão abordar a exposição awdiˈtɔrju (trata-se da transcrição fonética da palavra auditório) que estão a preparar para o próximo mês de Maio na Sala das Caldeiras da Central Tejo do Maat. Este local icónico da modernidade industrial vai-se transformar no palco de uma experiência imersiva que conjuga uma peça de som acompanhada de três momentos em que uma escultura e duas instalações habitam o espaço numa coreografia meticulosamente desenhada e que erigem uma alegoria complexa que nos alerta para as condições em que atualmente habitamos o nosso meio ambiente e para o modo como abusamos dele.
 

Seguidamente serão debatidas questões centrais nos processos criativos do artista, como sejam os cruzamentos disciplinares, a performatividade enquanto estratégia de expansão recetiva e as competências tecnológicas na estruturação projetual.
 

Pedro Tudela
Nasceu em Viseu, em 1962. Concluiu o Curso de Pintura da Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP) em 1987. Professor Auxiliar da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP). Enquanto aluno da ESBAP, foi cofundador do Grupo Missionário: organizou exposições nacionais e internacionais de pintura, arte postal e performance. Participa em vários festivais de performance desde 1982. Foi autor e apresentador dos programas de rádio escolhe um dedo e atmosfera reduzida na xfm, entre 1995 e 1996. Em 1992, por ocasião da exposição “Mute ... life”, funda o coletivo multimédia Mute Life dept. [MLd]. Enveredou pela produção sonora em 1992, participando em concertos, performances e edições discográficas, em Portugal e no estrangeiro. Cofundador e um dos elementos do projeto multidisciplinar e de música digital @c. Membro fundador da media label Crónica. Trabalha em cenografia desde 2003. Expõe individualmente com regularidade desde 1981. Participa em inúmeras exposições coletivas em Portugal e no estrangeiro desde o início da década de 80. Encontra-se representado em museus, coleções públicas e particulares. Vive e trabalha no Porto.
 
Miguel von Hafe Pérez
Nasceu no Porto em 1967. Licenciado em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Entre 1988 e 1995 colaborou com a Fundação de Serralves, onde coordenou o Serviço Educativo e foi assistente do director artístico.  Entre 1995 e 1998 foi director artístico da Fundação Cupertino de Miranda em Vila Nova de Famalicão. Foi responsável pela área de Artes Plásticas, Arquitectura e Cidade do Porto 2001, Capital Europeia da Cultura.  Em 2002 comissaria a representação portuguesa à 25ª Bienal de São Paulo, com o projecto Poço dos Murmúrios de João Tabarra. Entre 2002 e 2005 fez parte da mesa curatorial do Centre d’Art Santa Mónica em Barcelona onde era co-responsável pela programação da instituição e comissariou projectos de artistas portugueses e internacionais, entre eles os de Antoni Abad, Graham Gussin, Maria Nordman, Runa Islam, Cabelo, Helena Almeida, Francisco Queirós, Filipa César e João Tabarra. Foi responsável pelo projecto de arquivo sobre arte contemporânea em Portugal intitulado anamnese - o site e o livro, desenvolvido para a Fundação Ilídio Pinho. Através de um concurso internacional foi eleito director do Centro Galego de Arte Contemporánea (CGAC) de Santiago de Compostela (2009-2015). 
Recentemente editou para a Fundação de Serralves uma antologia de textos críticos de Fernando Pernes (Dizer a imagem) e comissariou, entre outras, as exposições a sul de hoje – arte portuguesa contemporânea (sem Portugal) para a Fondation Gulbenkian, Paris; P. – uma homenagem a Paulo Cunha e Silva, por extenso para a Galeria Municipal do Porto; A forma do pensamento para a Galeria Cristina Guerra, Lisboa; Julião Sarmento. No fio da respiração para a Galeria Municipal de Matosinhos; QAXXX (P1/2/3/4), para a Galeria Quadrado Azul, Porto e Lisboa; Passagens – Coleção de Serralves no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, Matosinhos; Álvaro Lapa. No Tempo Todo, no Museu de Serralves, Porto; Intersticial- diálogos no espaço entre acontecimentos no Núcleo de Arte Oliva em S. João da Madeira e Criteria. Obras da Fundación Arco no Torreão Nescente da Cordoaria de Lisboa. Sócio fundador da Inc. – livros e edições de artistas, Porto. De 2013 a 2018 foi assessor da Colección Fundación Arco, Madrid.
 
_ _ _ 
 
Todo o programa "Arte & Ecologia" > AQUI
 
 

 

Pages